sexta-feira, 22 de julho de 2016

Perdendo os melhores momentos da vida

Quem me segue nas redes sociais, sabe bem como tenho falado da importância de deixarmos o celular de lado quando estamos com nossos amigos, família e, principalmente, nossos filhos.....vi esse vídeo semana passada no Face e fiquei bem tocada.....um resumo tão real e tão triste dos nossos dias! Pra pensar...



quinta-feira, 21 de julho de 2016

As mudanças que a maternidade traz

Não dá pra negar, né? A maternidade traz um mundo totalmente novo para a nossa vida....comportamentos que a gente sempre condenou, passam a ser nossa rotina. Assuntos que nem passavam pela nossa cabeça, agora são os mais pesquisados na internet.....e o que dizer das roupas, sapatos e até mesmo do estilo pessoal?

Nesse post, estão as principais mudanças que aconteceram comigo depois que me tornei mãe. Que tal, depois de lerem, vocês deixarem seus exemplos nos comentários também? Eu vou AMAR ler as experiências de vocês e saber o que temos em comum...

SALTO ALTO
Eu nem sequer tinha sapato baixo, gente! Era só salto. A única variação no meu armário era fino, grosso, anabela ou agulha. Trabalhava o dia inteiro de salto 15 e nem mancava....rsrsrs.....assim que o lindão nasceu, voltei rapidamente para alguns dos meus queridos (alguns, porque perdi a maioria dos meus sapatos depois de passar de 37 para o 38 na gestação). Porém, foi só o lindão começar a engatinhar (e andar...e correr) pra eu virar fã declarada das sapatilhas. Tentei teimar algumas vezes e sair de casa com salto.....depois de alguns minutos correndo atrás dele, a dor nos pés me fez chegar ao arrependimento rapidão....agora, só vou de salto em programas que não envolvam o lindão. Um jantar ou cineminha com o maridão, o culto na igreja, essas coisas.....

E tenho que confessar....APAIXONEI! Não dá pra negar que a gente fica gata com aquele salto poderoso, mas o conforto que um baixo nos dá.....não tem preço!

TOLERÂNCIA AO ÁLCOOL
Não sei o que aconteceu, mas depois do lindão, uma taça de vinho já me deixa pra lá de Bagdá.....kkkkkkk.....sabem aquela frase famosa: "Sou fraca pra bebida"? Pois eu não sou fraca hoje em dia...eu sou anêmica!

A HORA DE DORMIR
Sair de casa às 21h?! Como assim?? Nesse horário, estou colocando o lindão pra dormir e, a partir das 22h, só consigo sentir muito, mas muuuuito SONO! Depois que o lindão nasceu, balada aqui em casa significa nós dois no sofá, curtindo nossas séries preferidas (ou um bom filme) e tomando uma tacinha de vinho (lembram do que falei sobre a taça de vinho aí em cima, né? Então.....kkkkkkk).

VAIDADE
Continuo vaidosa, mas nem de longe sou a mesma pessoa de antes! Aquela pessoa que ficava estressada se ficasse uma semana sem fazer as unhas, aquela pessoa que só saía de casa depois de horas e horas se preocupando com cada mínimo detalhe da produção, aquela pessoa que PRECISAVA de tudo combinadinho e "em alta" no guarda-roupas, aquela pessoa que perdia dias e mais dias pensando no look que usaria no próximo evento.....nossa!! Só de me lembrar, já fiquei cansada!! kkkkkk.....

Hoje, quanto mais básica for a produção, melhor! As roupas precisam ser confortáveis e não podem "entregar" nada em qualquer uma das 54654 vezes que preciso me abaixar pra falar com o lindão ou pra pegar ele no colo. A roupa tem que ser soltinha, já que meu abdômen mudou (e muito) por conta da diástase, que está sendo tratada, mas é um longo percurso....além de eu estar bem acima do peso ainda! Mas, acima de tudo, preciso que elas sejam soltinhas porque preciso me movimentar sem travas, sem algo me "pegando". E os acessórios então? Amava colares e brincos grandes, mas como usá-los quando, a qualquer momento, você pode ficar "sem orelha" porque seu pequeno resolveu dar um puxão pra ver o que é "aquela coisa colorida e brilhante balançando"?

Maquiagem? Claro que ainda amo, mas nada pode levar mais do que alguns minutos pra estar bem! Cabelo? Já amava o estilo curto...agora então!! Não me vejo mais de cabelão meeeeeesmo!! Deixo num comprimento suficiente pra poder fazer um rabo-de-cavalo num momento de aperto (aquele dia em que o "bonito" resolve acordar todo torto, praticamente em guerra contra mim, sabem?).

BOLSA
Siiiim...eu tinha uma bolsa de cada cor, tamanho e modelo....trocava todos os dias, dependendo da roupa que ia usar.....pois depois de passar os últimos 3 anos usando só a bolsa do lindão (comecei a me desapegar dela só agora, pois percebi que ele está totalmente adaptado ao desfralde) desencanei! Mas desencanei meeeeeesmo!! Doei praticamente todas as minhas bolsas, ficando só com as duas que mais usava (e as de festa). E o mais impressionante? Passo pelas lojas e olho pra tudo, menos para as bolsas....elas simplesmente deixaram de chamar minha atenção!

FRESCURAS E NOJINHOS
Não tem como passar pela maternidade sem sofrer uma mudança drástica nessa área....kkkkkkk....e comigo não foi diferente! Eu era bem fresca pra coisas nojentas como caca de nariz, cheiros ruins, etc.....mas tudo mudou a partir do momento em que o lindão, com 5 dias de vida, me deu um jato de cocô que "lavou" toda a minha roupa durante uma troca de fraldas. Eu estava sozinha com ele em casa e tive que acabar a troca, colocar ele no berço pra só então conseguir tirar minha roupa e começar a limpar o quarto (porque sujou até a parede, gente...inacreditável!) Depois dessa, percebi o que vinha pela frente e deixei de lado todo e qualquer "frufru" antigo.....a única coisa que ainda tenho muuuuuita dificuldade é com o tal do vômito! Limpo, cuido e tudo mais, mas passando mal....kkkk....#QuemNunca

E vocês? Me contem...quais foram as principais mudanças?

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Repost: Banho no inverno

Com todo esse frio que vem fazendo pelo Brasil, essa dica nunca esteve tão em alta, né? Rsrsrs...

Post de 01/07/2014

Se pra nós é desconfortável enfrentar o chuveiro nos dias frios, imaginem para os bebês. A sensação de desconforto é ainda maior. Mas podemos amenizar isso com dicas simples:


- Dê apenas um banho por dia, de preferência no horário mais quente (entre 12h e 15h). Em dias de frio extremo, veja se há a possibilidade de deixar o bebê sem banho. Limpe apenas as áreas críticas (bumbum, órgão genital, axilas, pescoço, pés e mãos) com um pano úmido (em água quentinha) e um pouco de sabonete. Depois, passe só um pano com água.
- Se possível, evite lavar o cabelo do bebê todos os dias. Lave em dias alternados e use um secador de cabelos em temperatura média e em boa distância.
- Não aumente a temperatura da água para compensar o frio. Isso pode ser perigoso. Faça o teste com o cotovelo - se estiver confortável para você, estará para o seu baby também.
- O banho precisa ser rápido. Evite brinquedos, que distraem a criança e acabam fazendo o banho ficar mais demorado.
- Não precisa levar tudo para o quarto. Basta deixar o banheiro bem fechado. Se for preciso apelar para o aquecedor, não exagere. Ligue por 10 minutinhos, encha a banheira, tire a roupa da criança e desligue o aparelho. Assim, o baby não sofrerá aquele choque térmico no fim do banho, tão perigoso à saúde.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Ter filhos é abrir mão de suas próprias vontades

Dia desses, pisei em um brinquedo do lindão descalça e - adivinhem? - morri de dor! Rsrsrsrs.....

Ele estava no meu colo, chorando de sono, a caminho do quarto para o cochilo da tarde. Fui lá com dor mesmo, ele me pediu cafuné, fiquei ali ao lado do berço curtindo o momento (e a dor no pé). E foi aí que me veio a ideia desse post! E atenção! Não se trata de uma reclamação, apenas uma constatação.....

Já pararam pra pensar na quantidade de vezes em que nós abrimos mão do que gostaríamos de fazer naquele momento, mas não podemos por conta dos pequenos?

Alguns exemplos pra ilustrar:

. a vontade de chegar em casa e se jogar no sofá depois de um dia cansativo;
. a vontade de simplesmente chegar da festa, tirar a roupa e deitar na cama;
. a vontade de tomar um banho beeeeem demorado e quando você quiser;
. a necessidade de ficar de boa quando ficamos doentes ou machucados;
. a fome (em muitas fases da vida das crianças, a gente simplesmente não encontra tempo pra comer);
. a vontade incontrolável de fazer xixi ou de espirrar bem no meio da amamentação ou quando o bebê - enfim - pega no sono no seu colo depois de uma noite difícil;
. a vontade de passar um dia chuvoso na cama ou embaixo das cobertas, vendo um filme;
. o sonho de passar o fim de semana inteirinho de pijama, só "morgando".

Quando nós decidimos ter filhos, estamos sim, abrindo mão de várias coisas "egoístas" em prol dos pequenos. Eles estão ali, precisando de nós naquele momento. Eles estão ali, pedindo a nossa atenção, a nossa companhia na brincadeira.

Quando forem maiores, eles estarão ali, pedindo um ombro amigo, uma conversa, uma palavra de incentivo. Mais pra frente, a gente pode abrir mão do nosso sono, não por causa do choro noturno, mas pela preocupação com a saída com os amigos.

Acho que muitos casais que não querem ter filhos, tomam essa decisão justamente pra não perderem esse "controle", essas regalias da vida adulta......eu já pensei dessa forma (justamente por isso, demorei tanto pra decidir engravidar), mas só passando por essa incrível aventura que é a maternidade e a paternidade, é que conseguimos perceber que, o "incômodo" que é abrir mão de tudo isso, não se compara ao imenso prazer de ter alguém tão especial em nossas vidas.

Ao amor indescritível que sentimos ao olhar para os pequenos.
Ao abraço de um filho.
Ao mais sincero "eu te amo" que ouviremos na vida.
Ao sentimento de plenitude que sentimos ao tê-los aconchegados no nosso colo.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Emocionante!!

Esse vídeo é simplesmente incrível! O bebê nasceu prematuro, com apenas 4 meses, e o pai filmou toda a jornada da família naquele primeiro ano de vida do pequeno. Um verdadeiro milagre!

Lindo, intenso, emocionante, imperdível!!


quinta-feira, 14 de julho de 2016

Sobre a ideologia de gênero

Há muito tempo (mas muito meeeeesmo), os leitores do blog me pedem pra falar sobre esse assunto, mas sempre evitei, porque sabia a onda de mimimi que viria a seguir....mas depois de ler essa matéria do Aleteia, não pude deixar de publicar. É FUNDAMENTAL que pais e mães leiam esse texto, saibam dos fatos técnicos e médicos, entendam o mal que essa ideologia absurda pode causar para as crianças.

Podem dizer que sou retrógrada, quadrada, sexista, o que mais quiserem...o fato é que as coisas são como são: "Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. Ninguém nasce com uma consciência de si mesmo como masculino ou feminino; essa consciência se desenvolve ao longo do tempo. Pessoas que se identificam como “sentindo-se do sexo oposto”, não constituem um terceiro sexo. Elas permanecem homens biológicos ou mulheres biológicas".

A Associação Americana de Pediatras urge os educadores e legisladores a rejeitarem todas as políticas que condicionam as crianças a aceitarem como normal uma vida de personificação química e cirúrgica do sexo oposto. São os fatos, e não a ideologia, o que determina a realidade.
1. A sexualidade humana é um traço biológico binário objetivo: “XY” e “XX” são marcadores genéticos de saúde, não de um distúrbio. A norma para o design humano é ser concebido ou como macho ou como fêmea. A sexualidade humana é binária por design, com o óbvio propósito da reprodução e florescimento da nossa espécie. Esse princípio é evidente em si mesmo. Os transtornos extremamente raros de diferenciação sexual (DDSs) — inclusive, mas não apenas, a feminização testicular e hiperplasia adrenal congênita — são todos desvios medicamente identificáveis da norma binária sexual, e são justamente reconhecidos como distúrbios do design humano. Indivíduos com DDSs não constituem um terceiro sexo.
2. Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. Gênero (uma consciência e percepção de si mesmo como homem ou mulher) é um conceito sociológico e psicológico, não um conceito biológico objetivo. Ninguém nasce com uma consciência de si mesmo como masculino ou feminino; essa consciência se desenvolve ao longo do tempo e, como todos os processos de desenvolvimento, pode ser descarrilada por percepções subjetivas, relacionamentos e experiências adversas da criança, desde a infância. Pessoas que se identificam como “sentindo-se do sexo oposto” ou “em algum lugar entre os dois sexos” não constituem um terceiro sexo. Elas permanecem homens biológicos ou mulheres biológicas.
3. A crença dele ou dela de ser algo que não é indica, na melhor das hipóteses, um pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita que é uma menina, ou uma menina biologicamente saudável acredita que é um menino, existe um problema psicológico objetivo, que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado como tal. Essas crianças sofrem de disforia de gênero (DG). Disforia de gênero, anteriormente chamada de transtorno de identidade de gênero (TIG), é um transtorno mental reconhecido pela mais recente edição do Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-V). As teorias psicodinâmicas e sociais de DG/TIG nunca foram refutadas.
4. A puberdade não é uma doença – e os hormônios que bloqueiam a puberdade podem ser perigosos. Reversíveis ou não, os hormônios que bloqueiam a puberdade induzem a um estado doentio — a ausência de puberdade — e inibem o crescimento e a fertilidade em uma criança até então biologicamente saudável.
5. Cerca de 98% dos meninos e 88% das meninas confusos com o próprio gênero acabam aceitando o seu sexo biológico depois de passarem naturalmente pela puberdade, segundo o DSM-V.
6. Crianças que usam bloqueadores da puberdade para personificar o sexo oposto vão requerer hormônios do outro sexo no fim da adolescência. Esses hormônios (testosterona e estrogênio) estão associados a riscos para a saúde, o que inclui, entre outros, o aumento da pressão arterial, a formação de coágulos sanguíneos, o acidente vascular cerebral e o câncer.
7. O índice de suicídio é 20 vezes maior entre adultos que usam hormônios do sexo oposto e se submetem a cirurgias de mudança de sexo – inclusive nos países mais afirmativos em relação aos chamados LGBTQ, como a Suécia. Que pessoa compassiva e razoável seria capaz de condenar crianças e jovens a esse destino, sabendo que, após a puberdade, cerca de 88% das meninas e 98% dos meninos vão acabar aceitando a realidade com boa saúde física e mental?
8. É abuso infantil condicionar crianças a acreditarem que uma vida inteira de personificação química e cirúrgica do sexo oposto seja normal e saudável. Endossar a discordância de gênero como normal através da rede pública de educação e de políticas legais servirá para confundir as crianças e os pais, levando mais crianças a serem apresentadas às “clínicas de gênero” e aos medicamentos bloqueadores da puberdade. Isto, por sua vez, praticamente garante que essas crianças e adolescentes vão “escolher” uma vida inteira de hormônios cancerígenos e tóxicos do sexo oposto, além pensarem na possibilidade da mutilação cirúrgica desnecessária de partes saudáveis do seu corpo quando forem jovens adultos.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Repost: Você conhece o xarope de milho?

Faz tempo que quero falar sobre isso aqui no blog, mas sempre acabava esquecendo....o fato é que não dá pra comprar NADA sem analisar o rótulo antes, gente. Sem neura...é cuidado básico com a saúde mesmo. Depois que assisti a esse vídeo, fiquei horrorizada, tanto ao conhecer esse xarope quanto ao perceber a quantidade de alimentos que trazem esse veneno para a nossa mesa. Fiquem de olho....é muito importante saber disso!

E, pesquisando sobre isso ontem, encontrei mais um vídeo bem bacana e explicativo que nos ajuda ainda mais a entender do que se trata esse absurdo da indústria alimentícia mundial. Confiram clicando nesse link.

Post de 25/02/2014

Muitíssimo importante! O título é chocante, mas a ideia é essa mesmo! Assistam, mamães. Pode mudar a saúde de toda a família: